Grupo GFT registra crescimento da receita e rendimento estável no ano fiscal de 2011

Grupo GFT registra crescimento da receita e rendimento estável no ano fiscal de 2011

Fornecedor internacional líder de soluções e serviços inovadores de TI para o setor financeiro fatura 272 milhões de euros em 2011

São Paulo, 5 de março de 2012 – O Grupo GFT, fornecedor internacional de serviços e soluções de Tecnologia da Informação anuncia hoje seus valores financeiros preliminares e não auditados para o exercício de 2011: o faturamento fechou em 272,38 milhões de euros, 10% a mais na cifra correspondente ao ano anterior no valor de 248,26 milhões de euros. Já o lucro antes de impostos manteve-se praticamente inalterado, alcançando 11,05 milhões de euros contra os 11,55 milhões de euros de 2010.

De acordo com o CEO do Grupo GFT, Ulrich Dietz, em 2011 a companhia se beneficiou com ascensão econômica para iniciar o ano com um forte desempenho. “Nos primeiros seis meses, mais uma vez superamos nossos altos valores do ano anterior e também fomos bem sucedidos no difícil ambiente econômico dos últimos seis meses. As aquisições das companhias Asymo AG e G2 Systems também nos ajudaram a acelerar o crescimento e fortalecer nossa posição como um parceiro estratégico de TI para a indústria de serviços financeiros”, afirma ele.

O crescimento do Grupo GFT foi impulsionado, sobretudo, pela sua divisão de Recursos, que aproveitou-se da alta demanda por especialistas em TI e engenheiros em todos os setores e países, bem como do aumento da cooperação com os clientes já existentes e da aquisição bem sucedida da empresa G2 Systems, que aumentou a base de clientes da GFT. No período em análise, a receita do segmento aumentou para 156,38 milhões de euros - um aumento de 19% contra o valor do ano anterior de 131,77 milhões de euros.

Nos primeiros seis meses de 2011, a crescente estabilidade do setor financeiro foi refletida pela evolução positiva do segmento de Serviços. Na segunda metade do ano, no entanto, o segmento foi incapaz de escapar da desaceleração no crescimento. Porém, ele ainda manteve o seu alto nível do ano anterior, fechando com receita de 115,50 milhões de euros (ano anterior: 116,47 milhões de euros). Os fluxos de receita estáveis de projetos de longo prazo na área de soluções de core banking e serviços de terceirização ajudaram a compensar quase totalmente a fraca demanda por soluções de TI na área de Banking Corporativo e de Investmento.

O lucro antes de impostos (EBT), que manteve-se praticamente inalterado, fechou com 11,05 milhões de euros. O valor foi ligeiramente inferior ao do ano anterior de 11,55 milhões de euros. O segmento de Serviços foi responsável pela maior fatia deste total (9,01 milhões de euros em comparação com 9,40 milhões de euros no ano anterior). Na divisão de Recursos, houve um aumento nos lucros do segmento de 17%, que fechou em 3,49 milhões de euros contra 2,99 milhões de euros de 2010. Isto se deve a evolução positiva da receita e do sucesso das medidas introduzidas para aumentar a eficiência.

Para 2015, a companhia continua a apostar no seu potencial de crescimento, planejando faturamento de 500 milhões euros. Isso se deve à demanda por soluções inovadoras e seguras para os recursos móveis, que estão crescendo rapidamente. “Nossos modelos atraentes de negócios digitais permitem aos clientes explorar as oportunidades deste mercado futuro. Além disso, nossa rede internacional de especialistas está posicionada para atender às necessidades de TI de um mundo de trabalho cada vez mais flexível.”, explica Ulrich Dietz, CEO do Grupo GFT.


*Valores preliminares e ainda não auditados, conforme a IFRS 5 de continuidade das operações:

Em milhões de euros 01.01.-31.12.2011 01.01.-31.12.2010
Faturamento

272,38

248,26

EBITDA

11,82

12,05

Desvalorização total

1,35

-1,18

EBIT

10,47

10,88

Lucro antes do pagamento de juros e impostos (EBT)

11,05

11,55

Lucro líquido de operações continuadas

8,29

8,25

Prejuízo líquido de operações descontinuadas

0,00

-0,47

Lucro líquido

8,29

7,77

Lucro/ação segundo IAS 33 em euros

0,31

0,31

Quota de capital próprio (%) 55

55

Colaboradores ao final do ano

1.337

1.300